quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

acorda

Dorota Miklaszewska

Faz de conta que
É Natal
A alegria invade os povos
Faz de conta que
As guerras acabaram
As armas soçobraram
Faz de conta que
Os famintos estão saciados
Os sem um abrigo aconchegados
Faz de conta que
As crianças brincam em verdes prados
Saltitando como balões de exuberantes cores
Faz de conta que
A verdade é lei universal
Que rege a vida dos povos
Faz de conta que
Um abraço cura um enfermo
A esperança renasce
...
Acorda

sábado, 22 de novembro de 2014

recordas

Hossein Zare

E te vais perguntar em poucos anos
Onde os sonhos que
Sulcavam teus desejos
No doce amargo
De meigas palavras ouvidas em qualquer canto
Que escrevias no diário
Do teu sentir
Quando alguém partindo
Fica em ti sentido
No abrigo de um abraço
Em fúria louca
Humedecia tua boca
Rasgava tuas entranhas
Estremeces
São momentos vividos
Que jamais esqueces

segunda-feira, 10 de novembro de 2014

Um dia


E num dia cinzento
            …hoje esteve um dia cinzento
Pingos de chuva
Molhando ilusões
            … divagando pensando em tudo e nada
Que nos levam
A tempos idos
            … pensando que tempos houve
Em que combinámos
Encontro em local nenhum
            … em que desejando estarmos
E encontrando-nos
Perdemo-nos de nós
            … estivemos sempre sós

domingo, 19 de outubro de 2014

melancolia


Recolhi todas as palavras que me oferecias,
como se fossem pétalas, que por vezes
me curavam as feridas,
e onde eu,
sentia a serenidade dum momento,
com cheiro de outono.

Estão espalhadas nas orlas,
da minha lembrança,
e por vezes ainda  sinto melancolia.

terça-feira, 30 de setembro de 2014

que flores usas nos teus cabelos de fogo



Mariam Sitchinava

Que flores usas nos teus cabelos de fogo?

De que são feitos os dias
quando o estio queima a alma
e a melancolia invade todo o meu corpo.

E que mar é esse que tens nos teus olhos,
e que fixa tão distraidamente
o azul das marés.

terça-feira, 23 de setembro de 2014

acreditar



 Svetlana Belyaeva Photography


Ao descer uma ladeira
Sem saber por onde andar
Caminham lado a lado
Olhando o sol
Que da manhã está a raiar
Nascendo em mais um dia
Que em seus sonhos vai brilhar
E nos momentos de tristeza
É preciso acreditar
Que os sonhos
Vão e veem
Como as ondas no alto mar

quarta-feira, 3 de setembro de 2014

esperava

© Anuchit Sundarakiti

Esperava…
Esperamos sempre
Um gesto, uma palavra
Que nos traga notícias de alguém
Que não estando
Está
Presente em perenes momentos
Ilusão de acreditar
Que sendo mais que nada
Se é, afinal, somente uma recordação
Fútil
Frágil
Quebrando ao mais leve ondular do vento
Esperamos sempre
Esperava…

domingo, 24 de agosto de 2014

vive a vida





Vive a vida que quiseres
Sê poeta sonhador
Entre copos e mulheres
Vive a vida que puderes
Vive a vida com amor
Com virtude e magia
Faz da vida o que quiseres
Vive a vida dia a dia
E até morrer
Vive a vida intensamente
Faz de ti
Um hino á alegria
Que jamais irão esquecer

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

uma flor


Uma flor voa nos dias que passam
E os pensamentos fluem
Num misto de mistério que apetece descobrir
Sopra uma brisa que desvenda
Os cheiros do verão

E dá sabor ao viver

sábado, 2 de agosto de 2014

em nome de...


Em nome de…
Se jura
Em nome de…
Se promete o paraíso a eternidade
Em nome de…
Se faz da mentira verdade
Em nome de…
Se ora
Homens, mulheres, crianças
em nome de…

… se mata

quarta-feira, 30 de julho de 2014

ausência


os dias sabem
a sol
a mar
e a areia entre os meus dedos.

escrevo na saudade
escondida no olhar
e na urgência em dizer
as palavras que estão por dizer.

sábado, 5 de julho de 2014

levitando

Svetlana Belyaeva


Pelos caminhos de nós
Percorrem-se atalhos, veredas
Soltam-se amarras
Do cais
Onde atraca a solidão
Dançam as ondas dos sonhos
Em músicas de pautas mudas
Um piano que canta
Um pandeiro que saltita
Pelos caminhos da vida
Dançando nas asas do mundo
Há sempre um sonho que levita

segunda-feira, 30 de junho de 2014

magia


Onde está a magia
Da poesia
Que me fazia cantar
A tua beleza
Se os ventos
Me levam as palavras
Que os sentimentos exaltavam
Deixando somente os momentos
De paixão
Nas brumas de um beijo
Que os lábios trocaram

quinta-feira, 26 de junho de 2014

é verão

Mango Bo

é verão, e as cores lembram
calor e sol,
vamos por esse mar,
desvendar as delicias da areia,
debaixo de nossos pés descalços.

sábado, 14 de junho de 2014

Onde?

shawrus
.
Onde andam
As palavras que escrevia
Vindas da espuma das ondas
E se perdiam nas danças das folhas
Levadas pelos ventos
Inventando as formas
Do teu corpo
No meu desejo
Onde andam
A força do sentir
Que cada palavra em si levava
Mesmo sem te ver
Onde andam as palavras
Que da pena saíam
Para dizer que te amava?
.

domingo, 8 de junho de 2014

caminho pelas areias

Elvazur

caminho pelas areias da praia
ao som de um violino imaginário
cujas notas lembram-me
(sempre)
o teu corpo em tons de ouro.

terça-feira, 20 de maio de 2014

Procuro





Procuro
Em límpidos pensamentos
As palavras a dizer
Que encontrem no destino
Sedentos ouvidos
Que as queiram ouvir
E numa frase do passado
Fica uma pista
Um caminho a seguir
E se nada acontece
Os pensamentos se esvaem
E as palavras esmorecem

sexta-feira, 9 de maio de 2014

Abraço

Inês Costa

São de sol os teus cabelos
e de  mar os teus lábios, onde a minha sede
não mitiga, mas
apenas ateia a sede dos meus
ávidos dos teus.

sábado, 19 de abril de 2014

andorinha

Ana Purpurina

Se eu fosse uma andorinha
Voaria pelos céus
Por serras, montes e vales
Levaria os sonhos teus
Em meus sonhos enredados
Os teus sonhos viveriam
Dentro deles aninhados
Outros sonhos nasceriam
Por rios caminhavas
Nos caminhos percorridos
Ser a estrada que sonhavas
Pelo tempo em que teus sonhos
Seriam por ti vividos
Se perderes o sonhar
Numa noite escura e fria
É porque os teus sonhos
Eram pura fantasia

sexta-feira, 11 de abril de 2014

se


se ouvires o eco do tempo, que perdeste,
junta os teus sonhos,
e vai-te para sul,
devemos procurar sempre ,
o rumo dos pássaros.

sábado, 15 de março de 2014

Jogo

Sarah Marino

Joga-se ao bilas
E ao pião
Salta-se á corda
Joga-se ao eixo
Diz-se um não
Grita-se um sim
Solta-se um sonho
Que corre mundo
Em olhar de paixão contida
Sentindo o amor pulsar
Joga-se a vida num frenesim

terça-feira, 4 de março de 2014

Carnaval



Palavra que entre nós se encontra associada a ritos pagãos, onde impera a ideia de sensualidade, em que os corpos se desnudam e rebolam ao ritmo do samba.

Ideia associada também a alguma critica mordaz à classe política e social que foi sendo criada com base na máxima “é carnaval ninguém leva a mal”.


Do que procurei aprender sobre o esta data ficou-me a ideia que os historiadores não se entendem sobre a sua origem, motivação ou razão de existir.


São vastas as teses sobre as origens, motivações e evoluções do carnaval.

De todas as manifestações associadas ao carnaval retenho-me no uso da máscara, acessório que, nesta data se coloca ( ou se retira ) conforme o caso.

O colocar (ou retirar) da máscara pressupõe talvez a procura de um acto de liberdade, em que alguém se pode expandir e soltar a repressão social a que está sujeito, na obrigação de padrões de ser e estar segundo padrões de ética definidos, mesmo que envolta no cinismo e mentira em que assenta uma sociedade onde que os valores básicos da sã convivência se encontram adulterados.
Olho o copo, já despejado do liquido, e… será que também ele é uma máscara?
Fui escrevendo e, quase sem dar por tal, o liquido que o copo continha passou para outro recipiente.
Passa a fazer parte da minha corrente sanguínea.
É um corpo vazio agora, inerte, sem utilidade.
De quanta inutilidade somos feitos!!!
Rememoro as noticias onde…

- acidente na A? Faz n’ vitimas;
- homem baleia mulher e anda a monte;
- no Gana os conflitos étnico políticos continuam, a fazer mortos;
- palestinos auto suicidam-se.

Um autentico carnaval em que vive uma sociedade que já caiu pelo abismo, imparável na sua auto destruição.

sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

Destino

Tsunami Akdeniz

Há um destino que
impulsiona a ternura
para a lúcida história
dos corpos sequiosos
de vida e fogo.

Há o perfume das rosas
E dos beijos nas bocas

Que se aliam e se despedem

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

vou


joel robison

vou ao teu encontro,
pelos caminhos do sol,
não tenho pressa,
meus passos, são apenas,
uma forma de locomoção,
para vislumbrar,
o horizonte do VIVER.
.

quarta-feira, 5 de fevereiro de 2014

Momentos

_carramba_

momentos dispersos em toadas de sol,
memórias que guardo em mim.

e no ocaso fica o eco do mar,
a lembrar os azuis.

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

visita

Hindi Nidal

E na noite dos silêncios
Igual a tantas outras
Momentos da tua visita
Tão rápida
Intensa
E nas palavras não ditas
Me falaste de ti… de nós
Momentos de sentir
Me trouxeram o saber
De quão próxima estás.
.

quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

deixas-te

 Claudine  B.


Deixas-te a tua presença entranhada,
nas noites em que derramas-te o fogo,
nas alvoradas dum tempo,
que foi apenas nosso.

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

quimeras

Drozda Immagine

diz que me amas, quando o dia,
ao nascer, recorda um oásis de cor, e música,
e que todas as quimeras, enlaçadas, em nós,
sejam a resplandecência dos dias sombrios.
.
diz que me amas
e eu serei (apenas)  um pássaro.

quarta-feira, 1 de janeiro de 2014

Desejo

Artem Chebokha

Se as estrelas falassem
Perguntariam ao mar
Quantas ondas ele tem
E onde as fora buscar
As ondas que tem
Que á praia vêm dar
São as ondas do teu corpo
Que desejo navegar
Pelo mar do teu corpo
Á bolina deslizando
Meu corpo navegando
Em marés de prazer
Tuas ondas penetrar
.

Seguidores