sexta-feira, 19 de outubro de 2012

acreditar


Parti de mim
Em regresso de memórias
Partindo do presente
A caminho do passado
Recordando batalhas travadas
Derrotas e vitórias
Olhando campos de lutas
De despojos recheados
Saques de vidas ceifadas
Paz de guerras travadas
Na rapidez de uma fuga
Sem escolher o caminho
Pelos atalhos
Do passado vivido
Tentando encontrar-me
Saber de mim
O que sou
Conseguir
Voltar a acreditar
.

3 comentários:

  1. Forte, nostálgico mas com uma réstia de esperança.

    e isso é bom.

    abraço

    ResponderEliminar
  2. Interessante, intenso..
    Que haja sempre esperança e não se desista de acreditar....
    Gostei muito...
    Beijos e abraços
    Marta

    ResponderEliminar
  3. O reencontro consigo mesmo. É tudo o que importa, Pintor.
    Abraços!

    ResponderEliminar

Seguidores